Sexta-feira, Julho 12, 2024
InícioReportagensHistórias de PortugalFeira Gastronómica de Santarém

Feira Gastronómica de Santarém

O Festival Nacional de Gastronomia de Santarém voltou à Casa do Campino para a 42.ª edição e a LusoPress foi conhecer as novidades deste ano. Com uma programação pensada para toda a família, o evento recebeu dezenas de restaurantes, artesãos, produtores e cozinheiros com o objetivo único de dar a conhecer e provar o melhor da gastronomia portuguesa, desde os doces aos salgados, sem esquecer os vinhos e aperitivos.

“É de facto um festival gastronómico único e transversal. O país inteiro e ilhas estão aqui representados e isso é muito bom porque podemos saborear este património único que é a gastronomia num só local, num só evento”, referiu João Francisco Leite, vice-presidente da Câmara Municipal de Santarém, realçando que ao mesmo este é um evento que vai muito além da gastronomia. A praça dos vinhos, dinamizada pela Associação de Municípios com Vinhos Portugueses, contou com mais de 47 municípios que ao longo dos dez dias do evento divulgaram os seus produtos vinícolas. “Quando falamos de gastronomia, temos obrigatoriamente de falar de vinho e, hoje, Portugal produz vinhos de elevada qualidade”, sublinhou o autarca.
Em números, este Festival reuniu 30 produtores agroalimentares, 20 doçarias, 18 stands comerciais e institucionais, 30 artesãos, oito restaurantes permanentes, demonstrações gastronómicas e nove regiões de vinhos.
Sob o tema “tradição com sabor a futuro” o evento cruzou as receitas portuguesas de sempre com os novos sabores e tendências. Foram criadas duas cozinhas para demonstrações gastronómicas, um espaço de petiscos e uma área de banquete para jantares especiais proporcionados por mais de duas dezenas de Chef’s conceituados e muitos deles galardoados com Estrela Michelin a preços acessíveis a todos os visitantes.
A Casa do Campino também recebeu, aliado à boa comida e boa bebida, cultura e etnografia de cada um dos municípios presentes com monstras de artesanato, comércio e diversos produtos agrícolas regionais. Por outro lado, este Festival Nacional de Gastronomia também procura ter um papel na divulgação dos novos talentos e este ano a autarquia teve uma parceria com a Escola Profissional de Vale do Tejo que diariamente realizou demonstrações de gastronomia e iniciativas de promoção turística da região.
Entre os muitos expositores, a LusoPress encontrou um jovem cutileiro, de 32 anos, que descobriu nas facas de cozinha a paixão de uma vida que agora começa a dar a conhecer ao mundo. “Infelizmente, é uma arte que se tem vindo a perder ao longo do tempo. Não há muita gente a fazer isto e quem o faz já tem alguma idade. Estou ligado aos aços desde sempre, visto que o meu pai tem uma empresa de metalomecânica e o único complemento que faltava era a têmpera. Acabei por tirar um curso de mecatrónica e com a experiência que ganhei, experimentei têmperas com vários aços e acabei que o mais indicado para fazer bons testes seriam lâminas por serem peças finas que requerem uma têmpera especial. Atualmente, baseio-me em designs europeus e japoneses e gosto sobretudo de facas de cozinha. São lâminas maiores e têm de ter debastes com geometrias mais finas, mais perfecionistas. O mais importante neste trabalho é a qualidade dos aços e boa têmpera. Visto que a área da cozinha requer muita precisão, isso agrada-me”, explicou Tiago Lopes.
Com 42 edições já realizadas, este evento tem vindo a afirmar-se dentro e fora de portas. Em 2021, a 6.ª edição dos Prémios AHRESP distinguiu o Festival Nacional de Gastronomia de Santarém como o evento do ano e o site de viagens “Big 7 Travel” colocou-o entre os 25 melhores festivais gastronómicos na Europa. “Este ano registámos muitos visitantes de fora do nosso país. Acreditamos que isso se deve, por um lado, ao facto de termos sido considerados um dos melhores festivais gastronómicos da Europa e, por outro, à aposta que também temos feito no desenvolvimento do enoturismo”, considerou João Francisco Leite, vice-presidente da Câmara Municipal de Santarém, que deixou um convite a quem não teve oportunidade de visitar a Casa do Campino este ano: “venham descobrir Santarém. Aproveitem para conhecer o nosso centro histórico, as nossas igrejas, os nossos monumentos, as nossas vistas para lezíria e para o rio Tejo. Temos a certeza de que vão gostar e querer voltar para a 43.ª edição do Festival Nacional de Gastronomia de Santarém já no próximo ano”.

ARTIGOS RELACIONADOS

Artigos Populares