Sábado, Maio 25, 2024
InícioArtigos Lusopress60 anos da diáspora portuguesa na Alemanha

60 anos da diáspora portuguesa na Alemanha

Uma exposição itinerante pretende assinalar os 60 anos da comunidade portuguesa na Alemanha. A mostra reúne quase duas dezenas de cartazes com temáticas como o associativismo, religião ou a gastronomia. E começou este domingo em Heinsberg.

Esta mostra cronológica, com um trabalho de pesquisa que começou em outubro, marca a assinatura do acordo bilateral entre Portugal e a Alemanha em 1964. Durante duas semanas estará no Volksbank de Heinsberg. Logo em seguida, poderá ser vista durante todo o ano em vários pontos do país.

Heinsberg celebra 60 anos da comunidade portuguesa na Alemanha com quase 200 cartazes sobre associativismo, religião e gastronomia

“Queremos abordar temas diferentes”, apontou o historiador Nélson Pereira Pinto, membro do Gri-Dpa. Este é o Grupo de Reflexão e Intervenção da Diáspora Portuguesa na Alemanha e por conseguinte responsável da exposição.

Portugueses e alemães assinalam 60 anos da diáspora na Alemanha

“Começámos com a emigração portuguesa em geral, e em seguida abordamos o caso alemão. Principalmente, as razões que levaram os portugueses a emigrar para a Alemanha Como por exemplo, as condições de vida em Portugal e a necessidade de a República Federal da Alemanha contratar trabalhadores de outros países”, destacou o autor desta investigação, feita em conjunto com Anna-Katharina Glettenberg.

Alfredo Stoffel, presidente do Gri-Dpa, lembra que muitos dos portugueses que chegaram à Alemanha nos anos 1960 e 1970. Vinham com uma “mala de cartão”.

“Muitos eram pobres. Não tinham conhecimentos da língua, mas geraram filhos e netos que se integraram na sociedade. E atualmente, são quadros muito válidos”, sublinhou, em declarações à Lusa.

Programa de recrutamento levou portugueses até à Alemanha

Devido à escassez de mão-de-obra, nos anos 1950, o Governo da República Federal da Alemanha recrutou trabalhadores temporários no estrangeiro. Uma ação realizada através do programa “Gastarbeiterprogramm” para que o país fosse reconstruído.

Este programa foi iniciado através de acordos de recrutamento bilaterais com a Itália, em 1955. Em segundo, surgiu a Grécia e Espanha, em 1960. Logo depois, Turquia, em 1961, e Marrocos, em 1963. Portugal foi em 1964, e a Tunísia no ano seguinte, em 1965. E por fim, a antiga Jugoslávia, em 1968.

“A qualidade de vida não era muito boa. Os primeiros emigrantes, nos anos 1960 e 1970, trabalhavam e viviam em más condições, poucos portugueses falavam alemão, não havia internet, havia uma grande dificuldade de integração social, o que também explica o aparecimento de associações portuguesas na Alemanha”, recordou Nélson Pereira Pinto à Lusa.

Tradições e costumes portugueses em destaque

Por outro lado, o historiador destacou a importância das associações que representavam um ponto de encontro. Era o sítio “onde as pessoas falavam sobre os seus problemas, e se entreajudavam, mantendo a ligação viva com Portugal”.

Ao mesmo tempo, esta exposição explora temas como a religião e as missões católicas, os sindicatos, a gastronomia e a restauração.

Uma exposição itinerante em Heinsberg, assinala 60 anos da comunidade portuguesa na Alemanha com quase duas dezenas de cartazes com temáticas como o associativismo, religião ou a gastronomia.

Armando Rodrigues de Sá foi o imigrante “um milhão” na Alemanha. O português, nascido em Nelas, no distrito de Viseu, chegou à estação de Köln-Deutz em 10 de setembro de 1964, juntamente com um grupo de 1.106 trabalhadores estrangeiros, dos quais 933 eram espanhóis. Foi recebido em festa, na presença das autoridades alemãs, e foi-lhe oferecida uma motorizada Zundapp.

“A Alemanha deu-nos uma oportunidade e nós, com o nosso esforço e trabalho, tornámo-la um bocadinho mais rica”, realçou Alfredo Stoffel.

Para o presidente do Gri-Dpa, a comunidade portuguesa na Alemanha “está integrada”, soube “aproveitar os desafios que lhe lançaram” e tem “o seu lugar na história” daquele país.

JYD // VM (Lusa)

Portugueses na Alemanha celebram 50 anos da Revolução dos Cravos

Festa da Liberdade dia 27. Abril 24, das 11 às 15 horas, em Frankfurt.
ARTIGOS RELACIONADOS

Artigos Populares