08 Jul, 2020 Última Actualização 8:39 AM, 7 Jul, 2020

Portugueses de Valor 2020: Nomeado Pedro Mendes

 

Pedro Mendes nasceu em 1972 no Porto e com apenas cinco anos emigrou com os seus pais para o Mónaco. É aqui que vive e trabalha até hoje. As lembranças de Portugal são poucas, apenas se mantém as viagens no verão para as merecidas férias da família. Pedro fez todos os estudos no Mónaco e o primeiro trabalho foi no sector imobiliário, algo que ia ao encontro do que procurava. “Procurava um trabalho de comercial, de contacto com pessoas, é isso que me realiza”. Assim teve o primeiro emprego, na Century 21, em 1995, numa cidade francesa perto do Mónaco. “Compreendi rapidamente que o meu interesse era trabalhar no Mónaco, porque vivi sempre lá, tinha os meus amigos, os meus conhecimentos e aproximei-me de uma pessoa que já tinha lá uma agência e comecei a trabalhar no mercado do Mónaco dessa forma. Fiquei nessa agência cerca de dez anos. Depois, comecei a tentar trabalhar para mim e montei uma estrutura própria, uma outra agência imobiliária com um sócio italiano. Até agora continuamos sócios, mas já faz dois anos e meio que decidi fazer o meu caminho e tenho a agência Premium Properties, onde agora trabalho”. Com experiência de 25 anos no ramo imobiliário, Pedro divide o seu tempo entre duas agências: a Mendes Immobilier, em Cap-D´Ail, uma pequena cidade francesa, e a Premium Properties, no Mónaco.
Para si, confessa que viver no Mónaco já é um sonho e agradece aos seus pais por isso. “Estamos cá pela oportunidade de trabalho que eles tiveram nos anos 70 no Mónaco. Para mim, os sonhos já estão quase todos realizados, ter a possibilidade de viver aqui com a minha família e que os meus filhos possam crescer aqui é o mais importante. Toda a gente sabe que o Mónaco é um paraíso, não há nenhum local como este”. Na sua vida, quer pessoal quer profissional, é o valor da honestidade o mais importante. “Só assim se consegue manter confiança entre as pessoas”. Ao nível solidário, Pedro ajuda uma associação dirigida pela mãe – Casa do Menor, que se dirige a crianças deixadas na rua, sobretudo no Brasil. “Existe em vários países e eu ajudo a minha mãe nesse sentido, a recrutar dinheiro, e temos bastante sucesso nesse sentido. Faço também parte da Cruz Vermelha Monegasca”. É orgulhoso de ser português e considera-se patriota. A todos deseja que “sejam orgulhosos de ser portugueses e que continuem a trabalhar na união dos portugueses”.