03 Aug, 2020 Última Actualização 4:11 PM, 3 Aug, 2020

Portugueses de Valor 2020: Nomeado Luís Carreira

 

Luís Carreira nasceu em 1949 na freguesia de Bidoeira de Cima, pertencente ao concelho de Leiria. Com uma infância feliz e de boas memórias, fruto de origens humildes, Luís estava longe de imaginar que se viria a tornar um empresário de sucesso. Começou a trabalhar com 12 anos de idade, altura em que o sector da agrícola trabalhado pelo pai não o agradava. Tentou sair de casa para trabalhar e começou num serviço precário, transportando barro em carrinhos de mão. Foi também aprendiz de pedreiro antes de ir para França, uma aventura que durou três anos e meio, mas que serviu para evitar o serviço militar. Ainda assim, apresentou-se fora do prazo e foi-lhe atribuída uma missão de dois anos em Angola. Aí, aproveitou o seu tempo para tirar a carta de condução de pesados e profissional, e ainda um curso de construção civil e decoração, actividade que adora. Regressado a Portugal, começa logo a trabalhar como pedreiro e inscreveu-me como empresário a 11 de Abril de 1974. Passado uns dias acontece o 25 de Abril e, com algumas obras adjudicadas, perde algum dinheiro com o crescimento da inflação. Ganhou coragem e determinação para continuar a trabalhar e a progredir como empresário de forma a recuperar o dinheiro perdido. Constituiu empresa com a sua esposa e algum tempo depois surgiu a oportunidade de comprar uma empresa de materiais de construção da qual era cliente. Fê-lo juntamente com um irmão e logo a batizaram de Macolis. Um irmão passou a sociedade a outro e foram-se desenvolvendo duas áreas de actividade na Macolis: cerâmicos e climatização. A separação das áreas foi o caminho a tomar e Luís Carreira ficou o sector da climatização e canalizações. Hoje, a Macolis está presente em Leiria, Coimbra e Paris. Luís confessa que nunca foi um homem sonhador, que apenas desejava fazer amanhã melhor do que hoje. E se conseguiu chegar até aqui, devo-o à honestidade do seu trabalho e à valorização dos recursos humanos. Tem uma vida de 45 anos de actividade ligada a coletividades, mas desejava sempre fazer mais pelo associativismo. Assume que quando instalou a Macolis em França, em 2013, ficou positivamente bem impressionado com a capacidade dos empresários portugueses em França. “Vi coisas que me entusiasmaram bastante e me deram forçam para continuar. Os portugueses são bem vistos em termos de laboração de trabalho, mas como empresários não ficam nada atrás. Para eles, os meus parabéns”.