23 Oct, 2019 Última Actualização 2:09 PM, 23 Oct, 2019

Nomeado Portugueses de Valor 2019: Joseph Brito

 

Corria o ano 1949 quando Joseph Brito Junior nasceu, em Massachusetts. Apesar de ter nascido em território americano, corre-lhe nas veias também sangue português. Recorda com saudade as memórias da infância de estar com o avô e com a sua família de Portugal. “Nós vivíamos em Bristol, íamos à Igreja todos os domingos, e nesses dias tínhamos um almoço de famílias que ia rodando de casa em casa. Ainda hoje nos reencontramos regularmente e é sempre muito acolhedor”. Joseph Brito Junior fez percurso académico típico americano. Por sugestão da sua mãe, entrou na Valley Forge Military Academy para trabalhar na cozinha, trabalhando todos os dias a partir das 4h30 da manhã. Cansado desta tarefa, tornou-se ginasta na mesma academia, entrando uns tempos depois no Junior Olympics Pennsylvania, o que o ajudou a entrar na Universidade.
 
A C. Brito Construction é a empresa da família, no sector da construção, e desde muito novo que começou a trabalhar nela. A família sempre lhe transmitiu o mais importante da vida. “ Quando era muito novo, percebi a importância de estar envolvido na comunidade. Percebi que dar é tão importante como receber. O meu avô e o meu tio-avô tinham imensa influência em mim. Os meus sonhos na altura eram pegar em algo, trabalhar e torná-lo maior e melhor, como qualquer geração. Os meus sonhos na altura eram garantir que aquilo que eu tinha, podia ser partilhado com quem não tinha”. Já adulto, tomou as rédeas da empresa familiar e fez-la crescer, chegando a um patamar de excelência. Hoje, a C. Brito Construction é o maior empregador privado de Rhode Island e usam os lucros do negócio para variadas causas de solidariedade.
 
Joseph Brito Junior é muito orgulhoso das suas raízes portuguesas e encara isso como um guia para a sua vida. “Sou muito sério em relação a esse assunto, e promovo Portugal sempre que posso, em diferentes maneiras”. Até uma recente passagem por Portugal o fez ter a certeza de que o povo português é diferente. “Quando estive em Lisboa com o meu filho, estivemos lá perto de 12 dias, e conheci um jovem que tinha acabado de comprar um carro, e estava ainda a pagá-lo, por isso contratámo-lo para nos levar a diferentes sítios em Portugal. Fomos a Fátima, fomos a todo o lado com ele. Ser português é diferente de qualquer nacionalidade, eu acho que temos um sentido de propósito, daquilo que fazemos e do que tentamos fazer pelos outros, assim como para nós mesmos”.