PORTUGAL
04 Mar, 2021 Última Actualização 2:31 PM, 3 Mar, 2021

Vitor Rodrigues venceu a Portugal 281 Ultramaratona, na Beira Baixa

 

Foi em 2019 que a Lusopress conheceu Vitor Rodrigues, aquando da sua participação na prova mais difícil do mundo: a Badwater 135. É militar da GNR, mas desde 2013 que se apaixonou pela Ultramaratona. Até então, embora a corrida se tenha sempre mostrado presente na sua vida, nunca tinha feito uma distância superior a 42km (maratona). No final do mês de Julho, Vitor Rodrigues foi o vencedor da edição de 2020 da Portugal 281 Ultramaratona. O atleta vitoriano percorreu os 281 km da prova na Beira Baixa em pouco mais de 39 horas. A superação é o principal ponto da carreira de Vitor, mas conta também com apoios importantes ao seu crescimento enquanto atleta.

Conheça a Alheira, produto endógeno e principal símbolo local de Mirandela

 

Existe em Mirandela um vasto património que justifica conhecer. As suas paisagens naturais chamam à atenção mas, quem aqui reina, é a Alheira. Este produto endógeno representa a identidade do povo, tornando-se no símbolo local, pela sua reputação, tradição e sabor. É a principal referência gastronómica do concelho. Surgiu nos finais do século XV e é o enchido regional mais consumido e conhecido no país. Em 2011, a Alheira de Mirandela foi considerada uma das 7 Maravilhas da Gastronomia Portuguesa e, em 2016, foi classificada pela Comissão Europeia como um produto de indicação geográfica protegida. A Lusopress fez-se ao caminho para perceber o fascínio que existe por este enchido. A Eurofumeiro abriu-nos as suas portas e explicou o processo de produção. A Alheira de Mirandela representa um marco importante no sector económico do concelho, quer pelas indústrias agroalimentares, quer pela dinâmica que impulsiona no turismo, na restauração e lojas de produtos regionais que atraem milhares de turistas ao longo das margens comerciais do Rio Tua. A Casa Tradicional do Fumeiro é uma das mais antigas de Mirandela.

Cultura pelas ruas de Sernancelhe com a exposição Esperança

 

No ano passado, por esta altura, o Centro Histórico de Sernancelhe estaria engalanado para receber mais uma edição do evento Ser + Cultura, iniciativa que aliava o património da sede do concelho a um cartaz de música e espcectáculos, teatro, exposições, desporto, literatura, multimédia e tasquinhas. Este ano, e por força da Covid-19 e das restrições impostas pela Direção Geral de Saúde, o evento foi suspenso mas o Município quis a cultura nas ruas e acessível a quem visitar Sernancelhe. Por isso, nos meses de Julho e Agosto, está a acontecer a exposição “Esperança”, uma manifestação de arte ao ar livre, que pode ser contemplada por todos quantos colocarem o concelho na rota de visita neste Verão.

Prémio 7 Maravilhas deu nova vida às Roscas de Monção

 

Não há festa ou romaria que não tenha mesa farta, recheada de deliciosos manjares e sobremesas difíceis de resistir. Muitos destes carregados de tradições e história e sempre acompanhados pelo mui nobre Alvarinho. As roscas de Monção são o doce que melhor se harmoniza com os aromas do Alvarinho produzido na sub-região de Monção Melgaço, umas das mais antigas sub-regiões vitivinícolas de Portugal. Feito por poucas doceiras de Monção, não raro é vê-las a venderem esta iguaria nos dias de Feira ou de Festa, requer mestria a juntar a farinha e os ovos com o funcho e mais ainda a colocar o açúcar no ponto para cobrir as argolas, cozidas em forno de lenha, já frias que se unem em grupos de 6.

Newsletter

Subscreva a Newsletter para receber conteúdos semanais sobre Portugal e toda a comunidade Portuguesa!

 

Veja também...

André Ventura em entrevista: balanço das presidenciais 2021 e a importância das comunidades

 

Licenciado e Doutor em Direito, André Ventura foi professor universitário, bem como consultor de diversas empresas na área jurídica. Lançou o projeto político do Chega no final de 2018, sendo reconhecido como o 24º partido português em Abril de 2019 pelo Tribunal Constitucional.

Ler notícia

Especial região do Minho: Quim Barreiros está há 50 anos a levar alegria ao povo português

 

Seja “A Garagem da Vizinha”, “A Cabritinha” ou “Bacalhau à Portuguesa”, todos os portugueses sabem trautear alguma música do conhecido cantor popular Quim Barreiros. Nascido e criado em Vila Praia de Âncora, Quim Barreiros está a celebrar meio século de careira. Foi em 1971, há 50 anos, que editou a primeira música gravada.

Ler notícia

Especial região do Minho: Fundação Santoinho preserva a tradição e património cultural minhoto

 

O Santoinho nasceu em 1972 pelas mãos de António Cunha, empreendedor no sector do turismo e transportes, ao sentir a necessidade de englobar num só espaço as vivências e a cultura do Minho. Desta forma, os turistas podiam levar consigo uma experiência única das tradições gastronómicas, populares, culturais e etnográficas da região, não só como visitantes mas acima de tudo como participantes.

Ler notícia

“As memórias da minha terra”: um olhar sobre Vale de Cambra pela voz de Arlindo dos Santos

 

É sobre o lema “unindo os Portugueses” e mostrando o que Portugal tem de melhor, que a Lusopress irá lançar um novo projeto: o Lusopress Book. A 1ª edição do livro irá ser lançada em 2021. Trata-se de um guia de qualidade de alguns municípios portugueses, com uma panorâmica geral de cada região. O objetivo é divulgar as características do património natural e arquitetónico, contando a história de cada destino, sejam cidades, vilas ou aldeias. 

Ler notícia

Especial região do Minho: “Joaquinzinho” das bicicletas é um histórico acordeonista

 

Joaquim Barreiros, histórico acordeonista de Vila Praia de Âncora e pai do popular cantor Quim Barreiros. Tem 102 anos, e uma vida repleta de histórias. É filho de uma professora que veio lecionar para Riba de Âncora, Joaquim veio com mãe do Brasil com oito anos, após a morte do pai que era natural de Covas, em Vila Nova de Cerveira.

Ler notícia