Em Pinela o barro está na essência da gente e daqui saem as tradicionais Cantarinhas
08 Aug, 2022 Última Actualização 11:55 AM, 8 Aug, 2022

Em Pinela o barro está na essência da gente e daqui saem as tradicionais Cantarinhas

 

Pinela é a terra das Cantareiras. A olaria foi, em tempos, uma das actividades principais de extrema importância social e económica. Hoje, o barro já não é fonte de rendimento para a aldeia mas a sua importância não é menor. Faz parte da cultura e da história deste lugar. Julieta Rodrigues, artesã, não sendo uma cantareira tradicional, aprendeu a arte e continua a ir à origem à procura da matéria-prima para a sua louça. A artesã trabalha no atelier, hoje com instrumentos mais modernos que ajudam no processo produtivo mas que não fazem de ninguém um artista. O bem fazer vem do conhecimento, mas também da sensibilidade e dedicação que se coloca em cada peça. É das mãos da única artesã que trabalha o barro em Pinela, que saem as famosas cantarinhas, que dão o nome à mais importante feira anual do concelho de Bragança. Reza a tradição que no dia 3 de Maio, se deve oferecer uma cantarinha a quem se quer bem. Manter a tradição viva é um dos sonhos de Julieta Rodrigues, mas a tarefa é complicada. Para manter a história viva, desde 2015 que se ergueu o Centro Interpretativo da Cerâmica de Pinela. Aqui, Pinela mostra, preserva, valoriza e promove boa parte da sua história. É possível compreender como a cerâmica faz parte da essência da gente de Pinela, como a tradição das cantareiras ficou escrita na louça de barro.

Newsletter

Subscreva a Newsletter para receber conteúdos semanais sobre Portugal e toda a comunidade Portuguesa!

 

Veja também...

Museu Carmen Miranda, no Marco de Canaveses, reabriu com a exposição temporária "Antestreia"

 

O Museu Carmen Miranda, no Marco de Canaveses, reabriu com uma exposição temporária intitulada “Antestreia”, dedicada à artista e com a curadoria de António Ponte. O Museu Carmen Miranda encontrava-se encerrado para obras de requalificação e ampliação.

Ler notícia

Quinta de Santoinho celebrou os 50 anos de existência com grande festa para o público

 

Festa e arraial minhoto: é assim há 50 anos. A Quinta do Santoinho está de portas abertas desde 1972. O Santoinho nasceu pelas mãos de António Cunha, empreendedor no setor do turismo e transportes, ao sentir a necessidade de englobar num só espaço as vivências e a cultura do Minho.

Ler notícia

Arte para todos os gostos: as opções da Feira Nacional de Artesanato, em Vila do Conde

 

Os jardins da Avenida Júlio Graça, em Vila do Conde, voltaram a encher-se de artesanato. É aqui que decorre a 44ª edição da Feira Nacional de Artesanato. Das rendas de bilros, a feira foi abrindo portas a outros artesãos. Hoje, são cerca de 200 expositores, com artesãos de todo o país, que mostram o que de melhor fazem, com diferentes matérias-primas.

Ler notícia