Movimento ‘Guimarães for Peace’ resgatou 30 refugiados ucranianos
27 May, 2022 Última Actualização 8:02 AM, 26 May, 2022

Movimento ‘Guimarães for Peace’ resgatou 30 refugiados ucranianos

 

O sentimento de "dever cumprido" reinou entre os membros do movimento "Guimarães for Peace" à chegada a Guimarães, depois da entrega de bens na Polónia e a recolha de 30 refugiados ucranianos. As três dezenas de refugiados que trouxeram para a cidade-berço jantaram no restaurante Florêncio, em Azurém, e foram alojados nas instalações do seminário Verbo Divino.

Um grupo de empresários vimaranenses decidiu unir esforços pela paz mundial, começando por ajudar o povo ucraniano, vítima de uma guerra que abala o território daquele país europeu. Com espírito de missão, este grupo de empresários decidiu partir em direção à Ucrânia, com dois objetivos primordiais. Primeiro, entregar ajuda humanitária, essencial para a sobrevivência daqueles que ainda se encontram no país. Em segundo lugar, trazer refugiados para Portugal, com o intuito de lhes promover condições de segurança e emprego.

Este foi o momento certo para Guimarães voltar a mostrar o espírito fraterno que tão bem a caracteriza, estando ao lado daqueles que mais sofrem devido a uma guerra que separa famílias e devasta um território.

Na primeira parte deste trabalho, foram entregues 3,5 toneladas de bens essenciais para quem procura sobreviver à guerra em território ucraniano. O destino foi Wroclaw (Breslávia), na Polónia. O grupo de vimaranenses partiu na manhã de 20 de março, e chegou a território polaco na noite do dia seguinte. Depois da entrega dos bens, seguiu-se o arranque da segunda parte da missão: trazer 30 refugiados para Guimarães, retirando-os da zona do conflito que devasta aquele país do leste europeu. Já no caminho de regresso a Portugal, uma paragem para descanso junto da comunidade portuguesa de Paris.

Cinco viaturas percorreram os três mil quilómetros que separam a cidade berço de Breslávia. Ao longo de um percurso longo e cansativo, pequenas ajudas fazem toda a diferença. António Faria de Castro, natural de Guimarães e emigrante em França tratou da logística para acolher durante uma noite a comitiva que seguia viagem em direção ao berço da nação. O jantar foi oferecido por José Gaspar, da Primland, e a estadia foi uma oferta de Maria do Céu, proprietária da Quinta da Pacheca.

A caravana chegou a Guimarães na noite de quinta-feira, a tempo de um jantar oferecido pelo restaurante Casa Florêncio. Os refugiados foram depois encaminhados para o edifício do Verbo Divino, onde encontraram todas as condições de alojamento temporário para os primeiros dias na cidade berço.

 

Newsletter

Subscreva a Newsletter para receber conteúdos semanais sobre Portugal e toda a comunidade Portuguesa!

 

Veja também...

A prática de petanca é uma tradição na cidade de Puteaux

 

A petanca é um jogo de origem francesa, criado no princípio do século XX. O seu nome deriva da expressão “pieds tanqués”, que significa pés juntos. Mais do que apenas um jogo, é já considerado um desporto, e existem Federações Nacionais que regulamentam a sua prática.

Ler notícia

CCIFP iniciou encontros com Comunidades Intermunicipais, começando com a região do Médio Tejo

 

O Consulado Geral de Portugal em Paris abriu as portas ao primeiro encontro entre a Câmara de Comércio e Indústria Franco-Portuguesa e uma Comunidade Intermunicipal. O evento teve como objetivo promover o território português e, na primeira edição, esteve em destaque a CIM Médio-Tejo, que reúne 13 municípios da região.

Ler notícia

Academia do Bacalhau de Paris realizou uma tertúlia no restaurante Le Chic

 

A primeira tertúlia após as recentes eleições da Academia do Bacalhau de Paris e sob a nova presidência do compadre Luís Gonçalves, teve lugar no restaurante Le Chic em Pierrelaye, nos arredores de Paris. Estiveram presentes cerca de 80 pessoas, na sua maioria comadres e compadres da academia. O jantar tertúlia teve como intuito a contribuição de fundos para quem mais precisa, e a associação escolhida foi a Les Voiles de I´Espoir, da qual a comadre Isabel da Ponte faz parte desde 2017. O objetivo é proporcionar um passeio durante uma semana a crianças que sofrem de cancro.

Ler notícia