"Dona Estefânia" nasceu para recuperar o sabor ancestral das Queijadas de Sintra
28 Jul, 2021 Última Actualização 3:45 PM, 25 Jul, 2021

"Dona Estefânia" nasceu para recuperar o sabor ancestral das Queijadas de Sintra

 

Em Sintra, o mar toca a serra, o sol toca a frieza do nevoeiro e o passado toca o presente. É uma terra mística e cheia de história. E foi a história das Queijadas de Sintra que a Lusopress foi conhecer.

A origem das deliciosas Queijadas de Sintra, imortalizadas no romance "Os Maias" de Eça de Queiroz, perde-se no tempo, mas pensa-se que estas pequenas tartes já eram produzidas na região durante a Idade Média. Depois da massa e do recheio prontos, a Queijada de Sintra começa a ganhar forma. As excelentes pastagens de Sintra permitiam o fabrico de queijo fresco e era comum o excesso de queijo ser usado para confecionar estes doces, que depois podiam servir aos camponeses como forma de pagamento. O projeto Dona Estefânia é recente, mas chegou para recuperar o sabor ancestral das Queijadas de Sintra. Esta história começa quando o destino quis que as vidas de Pedro Gomes e Paulo Veríssímo se cruzassem e, como nada acontece por acaso, coisas boas e doces aconteceram. Foram ambos guiados pelo sonho de fabricar queijadas, fiéis às receitas tradicionais e artesanais de outrora, que passaram de geração em geração, quase intocáveis. Mas aqui, a queijada tem companhia. Apesar de ter raízes que se perdem no tempo, o travesseiro é mais recente. É um doce feito com massa folhada. O recheio é à base de doce de ovos, amêndoa e açúcar; vai ao forno e aí está ele. Antes de comer, de preferência quentinho, é polvilhado com açúcar. Seja pela Queijada de Sintra, ou pelo travesseiro, a Dona Estefânia está de portas abertas.

Newsletter

Subscreva a Newsletter para receber conteúdos semanais sobre Portugal e toda a comunidade Portuguesa!

 

Veja também...

Recorde a última entrevista de Otelo Saraiva de Carvalho à Lusopress

 

Otelo Saraiva de Carvalho, militar e estratego do 25 de Abril de 1974, morreu hoje de madrugada aos 84 anos, no hospital militar, disse à Lusa Vasco Lourenço, presidente da Associação 25 de Abril.

Ler notícia

Vai uma fogaça?

 

Das muralhas do Castelo de Santa Maria da Feira para a cidade existe um pacto vitalício: todos os feirenses terão que comer um pão doce para curar doenças.

Ler notícia

Conheça Bragança: uma experiência única e cheia de lugares ímpares

 

Falar de Bragança seria uma conversa interminável, começou por dizer Hernâni Dias, presidente da câmara municipal desde 2013. Apaixonado pela sua cidade, foi também de forma apaixonada que nos falou das principais características brigantinas.

Ler notícia