Histórica Fábrica Torrejana evolui nas mãos da família Cardoso
01 Mar, 2021 Última Actualização 11:13 AM, 1 Mar, 2021

Histórica Fábrica Torrejana evolui nas mãos da família Cardoso

 

Numa viagem até Riachos, em Torres Novas, a Lusopress foi conhecer a história da Fábrica Torrejana. Está na posse da família Cardoso há 18 anos, mas conta com um longo historial.

Começou por ser um lagar de azeite e, posteriormente, deu origem a uma fábrica de extração de óleo de bagaço e óleo de girassol. Depois, foi palco para o embalamento do Azeite Oliveira da Serra. Surge finalmente, a intervenção da família Cardoso que viu na produção de biodiesel uma oportunidade de negócio. Com um projetista italiano, e com os conhecimentos metalúrgicos de João Cardoso, fizeram da Torrejana a primeira fábrica em Portugal dedicada à produção de biodiesel. A fábrica começou a funcionar a 100% em 2006. Até hoje, continua uma referência a nível nacional. A Fábrica Torrejana produz para as principais companhias petrolíferas em Portugal. Mas a família Cardoso representa muito mais do que produção de biodiesel. Ainda hoje detém a empresa de transportes Tracopol, responsável pelo transporte de produtos alimentares líquidos a granel. Os transportes e a Torrejana, deram assim início a uma série de investimentos para outras áreas de negócio. A família Cardoso detém, desta forma, um conjunto de empresas, que conta com mais de uma centena de colaboradores. Está presente no sector agrícola com azeite e vinho, no sector industrial com a produção de biodiesel, de azeites e óleos alimentares, e nos serviços com logística e transporte de mercadorias, distribuição de vinhos e azeites. Tem, neste momento, mais de 700 hectares de olival e cerca de 300 hectares de vinha, distribuídos pelo Ribatejo, Alentejo e Douro. Ainda assim, não faltam ideias para continuar a inovar.

Newsletter

Subscreva a Newsletter para receber conteúdos semanais sobre Portugal e toda a comunidade Portuguesa!

 

Veja também...

Especial região do Minho: Fundação Santoinho preserva a tradição e património cultural minhoto

 

O Santoinho nasceu em 1972 pelas mãos de António Cunha, empreendedor no sector do turismo e transportes, ao sentir a necessidade de englobar num só espaço as vivências e a cultura do Minho. Desta forma, os turistas podiam levar consigo uma experiência única das tradições gastronómicas, populares, culturais e etnográficas da região, não só como visitantes mas acima de tudo como participantes.

Ler notícia

“As memórias da minha terra”: um olhar sobre Vale de Cambra pela voz de Arlindo dos Santos

 

É sobre o lema “unindo os Portugueses” e mostrando o que Portugal tem de melhor, que a Lusopress irá lançar um novo projeto: o Lusopress Book. A 1ª edição do livro irá ser lançada em 2021. Trata-se de um guia de qualidade de alguns municípios portugueses, com uma panorâmica geral de cada região. O objetivo é divulgar as características do património natural e arquitetónico, contando a história de cada destino, sejam cidades, vilas ou aldeias. 

Ler notícia

Especial região do Minho: “Joaquinzinho” das bicicletas é um histórico acordeonista

 

Joaquim Barreiros, histórico acordeonista de Vila Praia de Âncora e pai do popular cantor Quim Barreiros. Tem 102 anos, e uma vida repleta de histórias. É filho de uma professora que veio lecionar para Riba de Âncora, Joaquim veio com mãe do Brasil com oito anos, após a morte do pai que era natural de Covas, em Vila Nova de Cerveira.

Ler notícia

Serip Groupe, de Joaquim Pires, está a investir em Portugal

 

Para além de Cônsul Honorário de Portugal em Nice, Joaquim Pires destaca-se na comunidade portuguesa do sul de França pelo seu empreendedorismo. É o rosto máximo da Serip Group, uma holding especializada na construção e promoção de moradias de luxo.

Ler notícia

Embaixador Jorge Torres Pereira em entrevista: eleições, Covid-19 e presidência portuguesa da UE

 

Três anos passados desde o início de funções em França, o Embaixador Jorge Torres Pereira abriu as portas à Lusopress, e vários foram os pontos em conversa.

Ler notícia