Portugueses de Valor 2020 - Nomeado José da Ponte
27 May, 2022 Última Actualização 8:02 AM, 26 May, 2022

Portugueses de Valor 2020 - Nomeado José da Ponte

De Portugal ganhou o gosto pelo mar e pelos barcos. José da Ponte nasceu em 1956 na freguesia do Pico da Pedra, em São Miguel. Localidade tipicamente rural, a família subsistia da agricultura, actividade à qual se dedicavam. “Ainda hoje as pessoas se admiram como é que eu passei de lavrador para construtor de barcos”, afirma. “A freguesia onde nasci não tinha mar, ficava bem no meio da ilha, mas já nesse tempo sempre que eu via um barco, sentia algo especial”, conta. Nasceu nos Açores, mas é nos Estados Unidos da América que tem realizado o seu sonho: trabalhar com barcos. Emigrou em 1973, cheio de vontade e ambição. Chegou com 17 anos aos Estados Unidos da América com a família à procura de melhores condições de vida. Se fosse hoje, pensa que talvez não tivesse emigrado. “Portugal desenvolveu muito, mas na altura procurávamos uma vida melhor”, conta. “Quando cheguei à América fui trabalhar para uma fábrica de tapetes, mas estive lá apenas dez meses. A grande memória que tenho é que vim ganhar 1,90 dólares à hora”, recorda o agora empresário de sucesso. A fábrica de tapetes ficava bem ao lado do mar e, todos os dias, José da Ponte via as embarcações a passar. Na altura, construir e trabalhar com barcos era apenas um sonho. Mas esse sonho tornou-se realidade, à base de muito trabalho e espírito de sacrifício. Dois anos depois de estar em solo americano, numa vista aos Açores conheceu aquela que viria a ser a esposa e companheira de vida - Rosa da Ponte. Já casados, é nos Estados Unidos que a vida do casal se constrói, sempre em conjunto até hoje. Tendo começado a sua actividade profissional numa empresa de confecção de tapetes, rapidamente José da Ponte arranjou forma de integrar uma empresa de construção de barcos, onde o seu pai já trabalhava. Começou assim a grande odisseia de José da Ponte no mundo dos barcos, até que decidiu arriscar e criou a sua empresa em 1998. “Comecei a fazer barcos de 18 e 20 pés, criei ainda mais gosto e quis aumentar o negócio. Começamos a fazer modelos maiores e, hoje em dia, temos à volta de 12 diferentes modelos, barcos de 12 e 14 metros, que é o maior que temos”.

Newsletter

Subscreva a Newsletter para receber conteúdos semanais sobre Portugal e toda a comunidade Portuguesa!

 

Veja também...

A prática de petanca é uma tradição na cidade de Puteaux

 

A petanca é um jogo de origem francesa, criado no princípio do século XX. O seu nome deriva da expressão “pieds tanqués”, que significa pés juntos. Mais do que apenas um jogo, é já considerado um desporto, e existem Federações Nacionais que regulamentam a sua prática.

Ler notícia

CCIFP iniciou encontros com Comunidades Intermunicipais, começando com a região do Médio Tejo

 

O Consulado Geral de Portugal em Paris abriu as portas ao primeiro encontro entre a Câmara de Comércio e Indústria Franco-Portuguesa e uma Comunidade Intermunicipal. O evento teve como objetivo promover o território português e, na primeira edição, esteve em destaque a CIM Médio-Tejo, que reúne 13 municípios da região.

Ler notícia

Academia do Bacalhau de Paris realizou uma tertúlia no restaurante Le Chic

 

A primeira tertúlia após as recentes eleições da Academia do Bacalhau de Paris e sob a nova presidência do compadre Luís Gonçalves, teve lugar no restaurante Le Chic em Pierrelaye, nos arredores de Paris. Estiveram presentes cerca de 80 pessoas, na sua maioria comadres e compadres da academia. O jantar tertúlia teve como intuito a contribuição de fundos para quem mais precisa, e a associação escolhida foi a Les Voiles de I´Espoir, da qual a comadre Isabel da Ponte faz parte desde 2017. O objetivo é proporcionar um passeio durante uma semana a crianças que sofrem de cancro.

Ler notícia