Associação CIVICA orgulha-se do crescimento da participação cívica portuguesa
08 Aug, 2022 Última Actualização 11:55 AM, 8 Aug, 2022

Associação CIVICA orgulha-se do crescimento da participação cívica portuguesa

 

A Lusopress esteve à conversa com o presidente e fundador da associação Cívica. Paulo Marques, para além de dirigir a Cívica, é maire-adjoint em Aulnay-sur-Bois, é também conselheiro das comunidades portuguesas, membro do conselho permanente, do conselho económico e social e do conselho de opinião da RTP. A associação Cívica foi criada a 5 de fevereiro de 2000 com o objetivo de mobilizar a comunidade portuguesa a participar nos atos eleitorais.

Paulo Marques explicou que a Cívica está organizada em delegações, estando todas ativas, e que permite que os autarcas tenham ligações entre si. Nos 20 anos da associação, o presidente faz um balanço extremamente positivo, destacando o reforço da ligação entre os autarcas. A participação cívica dos portugueses aumentou, e prova disso são os 7500 autarcas eleitos de origem portuguesa. Este crescimento, na opinião de Paulo Marques, deve-se a dois fatores.

Paulo Marques falou ainda do bom relacionamento da Cívica com a Embaixada de Portugal em França. Para terminar, Paulo Marques apelou para que todos os autarcas se possam juntar nas próximas iniciativas da Cívica, seja de modo presencial ou online.

Newsletter

Subscreva a Newsletter para receber conteúdos semanais sobre Portugal e toda a comunidade Portuguesa!

 

Veja também...

Museu Carmen Miranda, no Marco de Canaveses, reabriu com a exposição temporária "Antestreia"

 

O Museu Carmen Miranda, no Marco de Canaveses, reabriu com uma exposição temporária intitulada “Antestreia”, dedicada à artista e com a curadoria de António Ponte. O Museu Carmen Miranda encontrava-se encerrado para obras de requalificação e ampliação.

Ler notícia

Quinta de Santoinho celebrou os 50 anos de existência com grande festa para o público

 

Festa e arraial minhoto: é assim há 50 anos. A Quinta do Santoinho está de portas abertas desde 1972. O Santoinho nasceu pelas mãos de António Cunha, empreendedor no setor do turismo e transportes, ao sentir a necessidade de englobar num só espaço as vivências e a cultura do Minho.

Ler notícia

Arte para todos os gostos: as opções da Feira Nacional de Artesanato, em Vila do Conde

 

Os jardins da Avenida Júlio Graça, em Vila do Conde, voltaram a encher-se de artesanato. É aqui que decorre a 44ª edição da Feira Nacional de Artesanato. Das rendas de bilros, a feira foi abrindo portas a outros artesãos. Hoje, são cerca de 200 expositores, com artesãos de todo o país, que mostram o que de melhor fazem, com diferentes matérias-primas.

Ler notícia