José Roussado escreveu o livro “O Confinamento visto de Paris”
28 Jul, 2021 Última Actualização 3:45 PM, 25 Jul, 2021

José Roussado escreveu o livro “O Confinamento visto de Paris”

 

A pandemia de Covid-19 que afetou a população a nível mundial trouxe regras sanitárias a serem seguidas no dia-a-dia, e uma delas foi o confinamento. Estar fechado em casa foi, para muitas pessoas, um momento de isolamento mas também a descoberta de novas vocações. Foi o caso de José Roussado. Com 66 anos, ex-gerente bancário e antigo conselheiro das comunidades portuguesas, logo no primeiro confinamento começou a escrever poemas. Um ano depois nasceu o libro “O Confinamento visto de Paris”.

A Lusopress esteve à conversa com José Roussado, onde explicou que a ideia foi espontânea e que vários amigos o aconselharam a continuar a escrever os poemas. O conteúdo dos poemas relata o confinamento nas suas várias etapas. José Roussado viveu o primeiro confinamento em Neuilly-sur-Seine, e em Janeiro passado viveu o pior momento da pandemia em Portugal. O autor não deixou de referenciar ilustres, como Amália Rodrigues e Eça de Queiroz.

No livro, já editado pela Oxalá Editora, o autor faz também uma homenagem à sua mãe, com umas linhas e fotografias a si dedicadas. O silêncio, a sorte e o tempo. Para além de três simples palavras, são os temas preferidos de José Roussado no seu livro.O ambiente é outro tema que surge no livro, onde José Roussado salienta que o meio ambiente melhorou com o confinamento. Fique, por isso, com um poema sobre o planeta que, segundo o autor, usamos e abusamos.

Newsletter

Subscreva a Newsletter para receber conteúdos semanais sobre Portugal e toda a comunidade Portuguesa!

 

Veja também...

Recorde a última entrevista de Otelo Saraiva de Carvalho à Lusopress

 

Otelo Saraiva de Carvalho, militar e estratego do 25 de Abril de 1974, morreu hoje de madrugada aos 84 anos, no hospital militar, disse à Lusa Vasco Lourenço, presidente da Associação 25 de Abril.

Ler notícia

Vai uma fogaça?

 

Das muralhas do Castelo de Santa Maria da Feira para a cidade existe um pacto vitalício: todos os feirenses terão que comer um pão doce para curar doenças.

Ler notícia

Conheça Bragança: uma experiência única e cheia de lugares ímpares

 

Falar de Bragança seria uma conversa interminável, começou por dizer Hernâni Dias, presidente da câmara municipal desde 2013. Apaixonado pela sua cidade, foi também de forma apaixonada que nos falou das principais características brigantinas.

Ler notícia