Saiba como: Votação no estrangeiro para a eleição da Assembleia da República
25 May, 2022 Última Actualização 3:06 PM, 23 May, 2022

Saiba como: Votação no estrangeiro para a eleição da Assembleia da República

No âmbito da eleição da Assembleia da República, que decorrerá a 30 de janeiro de 2022, os eleitores residentes no estrangeiro devem verificar e, caso seja necessário, atualizar a morada associada ao cartão de cidadão, podendo fazê-lo presencialmente ou online. Esta verificação é essencial para garantir que o direito de voto no estrangeiro pode ser exercido sem constrangimentos.

A atualização de morada no cartão de cidadão só produz efeitos no recenseamento eleitoral se a confirmação da mesma ocorrer até ao 60.º dia anterior à data da eleição ou até ao dia da publicação do decreto Presidencial de marcação da eleição, se este for posterior.

Em www.eueleitor.mai.gov.pt os cidadãos podem obter a chave móvel digital associada ao seu cartão do cidadão e, após registo, consultar a morada.

A atualização da morada pode ser feita junto do posto consular ou online, em https://eportugal.gov.pt/servicos/alterar-a-morada-do-cartao-de-cidadao (utilizando para o efeito a chave móvel digital ou o cartão de cidadão + PIN).

Alerta-se para o facto de a alteração de morada efetuada presencialmente no posto ou secção consular produzir efeitos imediatos, enquanto que a alteração online está sujeita à já referida confirmação, pelo próprio cidadão, mediante receção de carta na atual morada contendo diversos códigos.

Recorda-se que estará inativa a inscrição no recenseamento eleitoral para os eleitores cujo cartão de cidadão tenha caducado há mais de 24 meses. Contudo, as inscrições inativas podem ser reativadas com a obtenção ou revalidação do cartão de cidadão, bem como através de nova inscrição voluntária no recenseamento. A reativação só produz efeitos no recenseamento eleitoral caso ocorra até ao 60.º dia anterior à data da eleição ou até ao dia da publicação do decreto Presidencial de marcação da eleição, se este for posterior.

Os cidadãos que têm como documento de identificação o bilhete de identidade com morada no estrangeiro podem verificar o local do seu recenseamento eleitoral junto do posto ou secção consular, ou através de consulta no sítio da internet www.recenseamento.mai.gov.pt.  Estes cidadãos podem inscrever-se junto da comissão recenseadora da respetiva área de residência (na secção consular da Embaixada ou no posto consular) até ao 60.º dia anterior à data da eleição ou até ao dia da publicação do decreto Presidencial de marcação da eleição, se este for posterior.

Quanto à forma de votação, os cidadãos residentes no estrangeiro podem exercer o direito de opção entre o voto presencial ou o voto por via postal, até à data de publicação do decreto Presidencial de marcação da eleição, presencialmente, junto da respetiva comissão recenseadora (na secção consular da Embaixada ou no posto consular). Caso o eleitor não exerça o seu direito de opção, terá de votar por via postal.

Recorda-se, por fim, que a inscrição consular não significa que o cidadão esteja inscrito no recenseamento eleitoral.

Newsletter

Subscreva a Newsletter para receber conteúdos semanais sobre Portugal e toda a comunidade Portuguesa!

 

Outras Notícias

Paulo Cafôfo deixa a Venezuela preocupado com portugueses em situação de vulnerabilidade

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, Paulo Cafôfo, manifestou preocupação pela existência de portugueses em situação de vulnerabilidade, alguns deles sem-abrigo.

Ler notícia

Açoriano faz comédia em português nos Estados Unidos com referências da Terceira

O açoriano Hugo Brito, que emigrou da ilha Terceira para os Estados Unidos da América (EUA) quando tinha 11 anos, criou um espetáculo de comédia totalmente em português para a comunidade luso-americana com a personagem Vavó Brito.

Ler notícia

Dia Mundial da Língua Portuguesa assinalado através de 139 atividades em 52 países

A terceira edição do Dia Mundial da Língua Portuguesa será hoje assinalada através de 139 atividades em 52 países, com Angola e o Brasil a assumirem os principais destaques entre um conjunto de eventos espalhados por quatro continentes.

Ler notícia

Movimento associativo na diáspora diminuiu um terço e precisa de apoio

O Conselho das Comunidades Portuguesas (CCP) alertou para a necessidade de o movimento associativo na diáspora ser apoiado, perante a diminuição de quase um terço das associações nos últimos tempos, para a qual contribuiu a pandemia de covid-19.

Ler notícia

Comunidades portugueses querem ter maior peso na decisão política – Flávio Martins

O presidente do Conselho das Comunidades Portuguesas, Flávio Martins, salientou que os eleitores recenseados residentes no estrangeiro são 1,5 milhões e, em consequência, estes cidadãos nacionais têm de possuir maior peso nas decisões políticas.

Ler notícia