Na mercearia de Amélia, negócio cresce desde que pandemia atingiu o Luxemburgo
19 Oct, 2021 Última Actualização 11:25 AM, 18 Oct, 2021

Na mercearia de Amélia, negócio cresce desde que pandemia atingiu o Luxemburgo

Na mercearia de Amélia, na cidade do Luxemburgo, o negócio cresceu cerca de 10% desde que o Governo do Luxemburgo começou a tomar as primeiras medidas de combate à pandemia do Covid-19.


"Estou a faturar mais desde que começou esta a situação e o governo começou a tomar medidas", afirmou a emigrante portuguesa, acrescentando que, com menos pessoas a irem à mercearia que criou há 32 anos mas a comprarem mais em volume "as vendas cresceram cerca de dez por cento nestes dias" comparativamente ao que era a média de faturação diária do estabelecimento que está entre os que não foram obrigados a fechar. Tanto foi o aumento das vendas que "artigos como farinha e o papel higiénico já esgotaram e o grossista [fornecedor] já não tem até ao final do mês], por isso vou ter de encontrar outro", referiu. 

No início, a mercearia de Amélia tinha apenas clientes portugueses, hoje tem franceses, luxemburgueses, alemães, ingleses e até chineses entre a clientela. Uns mais preocupados que outros e com mais ou menos cuidados. "Há pessoas que vêm com luvas e outras não", e quase todas respeitam o espaço necessário. "Quando não respeitam, nós colocamos um pouco de civismo", relatou. Mas os portugueses, na sua opinião, foram os que tomaram consciência da gravidade da situação mais tarde. E são os que estão mais preocupados "em que não lhes falte nada em casa". A dona da mercearia e mãe de dois filhos, que vivem com ela no país, está mais preocupada com os riscos do Covid-19 do que com os negócios. "Nós conhecemos os problemas deste vírus e eu tenho receio", afirmou na conversa ao telefone com a Lusa, contando que na mercearia usa luvas para muitos das suas ações.

Quanto aos negócios, admitiu que o futuro não será fácil e que os de portugueses no país bem como o emprego serão afetados pela pandemia. Mas, salientou:"o Estado disse que poderia ajudar as empresas que tiveram de fechar" e "alguns donos de restaurantes portugueses, que fecharam já estão a criar negócios alternativos como o do 'take-away' [comida para levar para casa]". Para Amélia, mesmo que tenham que ultrapassar dificuldades como as da pandemia os portugueses que vivem no Luxemburgo dificilmente deixarão o país, pelas condições que têm ali, "melhores", sobretudo na "assistência na saúde".

 

 

 

FONTE: LUSA

Newsletter

Subscreva a Newsletter para receber conteúdos semanais sobre Portugal e toda a comunidade Portuguesa!

 

Outras Notícias

OE2022: Eleições para Conselho das Comunidades vão ter projeto-piloto de voto eletrónico

O Governo prevê realizar um projeto-piloto de voto eletrónico à distância nas eleições para o Conselho das Comunidades Portuguesas, que se realizam em março de 2022, segundo a proposta do Orçamento do Estado (OE2022).

Ler notícia

Expositores portugueses na feira internacional das industrias do ambiente em Lyon: POLLUTEC.

A feira bienal internacional POLLUTEC que terá lugar de 12 a 15 de Outubro no Parc des Expositions Lyon Eurexpo, é uma das maiores exposições mundiais do sector do ambiente (equipamentos, tecnologias e serviços ambientais), que reúne um universo de importantes empresas fabricantes de equipamentos e processos industriais assim como empresas de serviços industriais.

Ler notícia

Sobe número de eleitos regionais e departamentais de origem portuguesa em França

Após as eleições regionais e departamentais em França, a comunidade portuguesa está representada com cerca de 20 eleitos nos conselhos departamentais e mais de 10 nos conselhos regionais, uma subida em relação a 2015, segundo fonte oficial.

Ler notícia

Governo eleva classificação dos vice-consulados de Portugal em Toulose e em Vigo

O vice-consulado de Portugal em Toulouse será elevado a consulado e o vice-consulado de Portugal em Vigo passará a consulado-geral, no âmbito da reorganização da rede externa prevista no novo Regulamento Consular, anunciou hoje o Governo.

Ler notícia

Organização portuguesa no Canadá distribui 45 bolsas de estudo no valor de 47,5 mil euros

Uma organização portuguesa no Canadá distribuiu na semana passada 45 bolsas de estudo a alunos lusodescendentes do ensino pós-secundário no valor de aproximadamente 70 mil dólares canadianos (47,5 mil euros).

Ler notícia