18 Apr, 2019 Última Actualização 8:00 AM, 19 Apr, 2019

Nomeado Portugueses de Valor 2019: José Stuart

 

José Stuart nasceu na “princesa do Douro” e foi ainda em Portugal que fez os seus estudos, tendo um diploma de Letras. Em 1966, partiu com um grupo de amigos para França, à procura de uma aventura e também com a consciência de que aí teria mais oportunidades ao nível profissional. Trabalhou em várias empresas, entre as quais se destaca a Ferrero Rocher France, à qual dedicou mais de 20 anos da sua vida, tendo atingido o posto de dirigente de quadro da empresa. Em 1992 criou o seu próprio negócio, a Stuart Distribution, uma empresa de importação e distribuição de produtos portugueses em França, sobretudo vinhos.

Depois do fecho do Consulado Português em Rouen, onde vive, José Stuart foi nomeado Cônsul Honorário de Portugal em Rouen. Quem o conhece, descreve-o como uma pessoa boa, que gosta de fazer bem aos outros. Não consegue passar sem a família, sem a sua casa de campo em França e sem ir a Portugal regularmente, de preferência todos os meses.

Nomeado Portugueses de Valor 2019: Ricardo Macieirinha

 

Ricardo Macieirinha nasceu em Luanda, Angola, enquanto território português. Para Portugal Continental viajou com apenas um ano e meio. Da sua infância recorda como Leiria era uma cidade pequena e de todo o seu percurso escolar. “São as recordações normais de um jovem que vive o seu tempo de juventude”, afirma. Formado na área de Direito, é na advocacia que pauta o seu dia-a-dia em termos profissionais. Após terminar o curso, Ricardo regressou a Leiria onde fez o estágio e mais tarde se lançou por conta própria. Em 2003, materializou assim o seu objectivo primordial, ou seja, delinear os seus passos por si próprio e é nesta fase que começa a viver de perto com muitos portugueses emigrantes. “Cada vez mais querem apostar em Portugal”, afirma.

O advogado sublinha o patriotismo de todos os portugueses que vivem além-fronteiras. “O meu tempo é dividido entre Leiria, Lisboa e Paris”, confessa. Actualmente, Ricardo Macieirinha tem um escritório em Leiria e estabelece uma relação muito estreita com um escritório em Lisboa. Apaixonado por Portugal, o advogado descreve o seu país como detentor de uma história extraordinária. Defende que as pessoas fazem o nosso país e, por isso, afirma que não se devem considerar só portugueses aqueles que vivem em território nacional. “Temos que olhar para os portugueses que tiveram a ousadia de sair de Portugal, cresceram fora de Portugal e que hoje em dia representam muito bem o nosso país”, afirma.

Nomeado Portugueses de Valor 2019: António Cardoso

 

É no meio da pureza da água e do verde das montanhas que António Cardoso nasce. São Pedro do Sul está dotado de uma das maiores estâncias termais da Europa e António deu de caras com essa realidade, em 1950. A sua infância foi sorridente e cúmplice, perto dos seus pares. “Vivi uma infância muito feliz e em família”, recorda. Contudo, e num ambiente bastante familiar, o português ao completar os 18 anos decide trocar o ar puro da cidade, pertencente ao distrito de Viseu, pela metrópole francesa. Portugal, na altura, vivia um período de conflito, designado Guerra de Ultramar, e tanto António como outros tantos portugueses eram obrigados a prestar serviço militar. O empresário não teve mãos a medir e lutou pelas suas convicções. “Não concordava com esta guerra e por intermédio de amigos, já emigrados, decidi aventurar-me”, relata.

Corria o ano de 1969, em Abril, António arranja o primeiro emprego logo no segundo dia que chegou a Paris. “Trabalhava no metro, no prolongamento do percurso que ligava Charenton-Écoles a Créteil”, afirma. Após esta primeira experiência, o português esteve ligado a um laboratório de produtos farmacêuticos e ainda dedicou 25 anos a trabalhar para a banca antes de se estabelecer por conta própria. No seu vasto currículo, foi condecorado pela Ordem Nacional da Legião de Honra, uma condecoração honorífica francesa atribuída pelas mãos de Jacques Chirac, antigo presidente do território francês. Ligado a causas de solidariedade, o empresário apoia o Lions Club, uma organização internacional que visa ajudar os mais necessitados. “Futuramente, Portugal será o país mais seguro da Europa”, diz. António Cardoso é apaixonado pelo clima e pela gastronomia do seu país e apela a todos os portugueses em geral à união e à amizade.

Nomeado Portugueses de Valor 2019: João Medeiros

 

João Medeiros nasceu na ilha dos Açores, no fim da década de 50. Portugal não vivia na plenitude das suas capacidades e muitos portugueses decidiram carimbar o passaporte em direcção a outra realidade. A família de João não foge à regra e emigrou para o continente americano. “Em 1969 fui com os meus pais para os EUA”, diz. Ao chegar a um país novo, uma realidade e cultura diferente, João atravessa a sua primeira grande dificuldade. “Com 10 anos fui para a escola e depois das aulas ia ajudar os meus pais. Viemos à procura de uma vida melhor, não falávamos a língua. Foi muito custoso”, confessa. Quando questionado pelo motivo da ter saído de Portugal, o português responde de forma peremptória. “Havia trabalho, mas não havia dinheiro”, relembra.

Desde cedo, João Medeiros encarou a realidade profissional e logo criou a sua identidade. “O primeiro emprego foi a trabalhar num grupo, durante as férias escolares, e ao longo de 12 horas por dia. Com 10 anos já trabalhava. Fui cozinheiro e trabalhei numa fábrica de jóias”, realça. É neste contexto que João descobre a sua vocação.“Trabalhei muitos anos com artistas famosos. Era supervisor, tinha sempre muitas pessoas a trabalhar para mim. Tudo passava pelas minhas mãos e eu tenho muita experiência”, destaca. O empresário ganhou notoriedade na área da ourivesaria e em 1984 abriu o seu próprio espaço. “Decidi fazer a minha fábrica. Não sabia se ia ganhar dinheiro e não foi fácil”, diz. John Medeiros é o nome que veste o negócio do empresário e, ao mesmo tempo, espelha a vasta experiência que João acumula. A empresa é especialista em jóias e tem o cunho pessoal do português.

Com as recordações escritas na memória, João é apaixonado por Portugal e por tudo o que envolve as suas origens. “O português é uma pessoa de classe, uma pessoa que trabalha muito. Gosto muito dos nossos portugueses. É preciso ter muita fé e nunca desistir”, realça.

Nomeado Portugueses de Valor 2019: José Luis Rodrigues

 

Emigrou para França depois do 25 de Abril, em Setembro de 1974, porque era natural de uma região desfavorecida, sem condições para singrar na vida. Tenta guardar a entidade portuguesa com a ideia de um dia regressar ao país. Sempre que teve oportunidade investiu em Portugal, mas acha que nunca foi reconhecido pelo trabalho que realizou até hoje. Para si, a maioria dos portugueses são patriotas e nostálgicos do país. Define os portugueses como trabalhadores, que se adaptam facilmente nos países de acolhimento e aponta o dedo ao seu individualismo.

Quanto a obras sociais, sente-se honrado por ter feito parte, durante doze anos, do Conselho Económico do Santuário de Nossa Senhora de Fátima em Paris. Na sua empresa, tem actualmente doze trabalhadores portugueses, dois dos quais com cerca de trinta anos de casa. Figura histórica tem uma admiração por Fernando Pessoa. Dedica-se a praticar golfe, uma das suas grandes paixões, e gostaria de conhecer todos os campos de golfe, do Minho ao Algarve. Expressa o desejo de que a comunidade portuguesa, nomeadamente em França, continue a evoluir positivamente, que os portugueses sejam mais unidos e que sejam orgulhosos dos êxitos dos compatriotas.