26 Mar, 2019 Última Actualização 5:53 PM, 24 Mar, 2019

Nomeado Portugueses de Valor 2019: Joaquim Pereira

 

 

Foi para França em 1963 e trabalhou sempre nas obras públicas. Dirigiu uma empresa durante 33 anos cuja actividade terminou em 2011, e criou a seguir a empresa que dirige actualmente, especializada em trabalhos de demolição, terraplanagem e espaços verdes. Define-se como uma pessoa dinâmica que gosta de trabalhar, com espírito de empreendedorismo, gosto pelas relações humanas e pensa que essas são as razões do sucesso do seu percurso. Diz que os “portugueses de França” são muito trabalhadores, mas lamenta que sejam individualistas. Acha que se fossem mais unidos, teriam uma força muito maior. Verifica isso no sector da construção civil e das obras públicas onde os portugueses já representam um certo peso, mas que poderiam ter uma capacidade maior para afrontar outros mercados trabalhando de forma unida.

Sempre que é solicitado e que possa, tenta ajudar algumas instituições. Mas explica que a obra na qual mais se implicou foi, sem dúvida, a construção de uma casa para receber os pais de crianças hospitalizadas. A construção era financiada por um cliente seu mas a sua própria empresa acabou por contribuir muito para essa realização. Sente que sempre houve um certo reconhecimento por parte de Portugal pelo seu trabalho. Recorda que há uns anos atrás tinha sido convidado pelo Presidente Mário Soares aquando de uma visita a França, para participar numa reunião na presença do Presidente François Mitterrand, uma figura histórica por quem sente aliás uma certa admiração. O General de Gaulle é outro Presidente francês que também o marcou muito. Confessa que quando foi para França, cortou um pouco as relações com Portugal e que só muito mais tarde voltou a ter prazer em ir a Portugal, porque o país e as pessoas evoluíram. Hoje diz gostar muito da França, “um país magnífico onde vive há mais de meio século”, mas defende Portugal por ser o seu país natal, um país também maravilhoso com muitas coisas boas.