26 May, 2019 Última Actualização 4:14 PM, 23 May, 2019

Jantar da Liberdade, em Paris, para assinalar o 25 de Abril de 1974

 

Há 45 anos os cravos tornaram-se símbolo da Revolução da Liberdade, em Portugal. Perdura no tempo o significado, e a necessidade de se assinalar, ano após ano, a conquista da democracia pelos militares portugueses. O 25 de Abril faz parte da nossa história e é celebrado, todos os anos, por todos os portugueses espalhados pelo mundo. Em Paris, é já tradição a realização do Jantar da Liberdade. Cerca de 100 pessoas juntaram-se no restaurante La Montagne e, juntos, partilharam memórias do 25 de Abril de 1974. É pelos ideais da liberdade e da democracia que, 45 anos depois, continua a fazer sentido assinalar-se a data e levantar bem alto os cravos de Abril. Há 45 anos Portugal mudou, mas a mudança continua até aos dias de hoje.

Gala do Rotary Club de Crecy-en-Brie para iniciativas solidárias

 

Por mais um ano consecutivo o Rotary Club de Crecy-en-Brie realizou o seu jantar de gala. O objectivo foi reunir fundos para os batismos de voo, uma acção solidária para crianças com necessidades especiais, mas também para a compra de um carro adaptado para uma jovem em Portugal. Os batismos de voo são já uma acção tradicional promovida pelo Rotary. O seu presidente salientou que o objectivo é proporcionar um dia diferente às crianças com uma pequena viagem até aos céus.

O Maire de Bussy Saint Georges foi o anfitrião do evento e reconhece bem o papel do Rotary Club na dinamização de ações solidárias. Mário Martins é membro do Lions Club, mas realçou o trabalho conjunto que as duas instituições têm promovido na dinamização dos baptismos de voo. Membro do Rotary, Fernando Costa salienta que é sempre bom poder ajudar as pessoas.  

Carlos de Matos e Portugal: uma relação de amor e indiferença

 

Chegou a França com 18 anos, arregaçou as mangas e tornou-se num dos grandes empresários portugueses em terras gaulesas. O segredo, esse,  foi o trabalho árduo e constante. Agora, já na reforma, decidiu regressar às suas origens, estando em Portugal há cerca de 3 anos. Parar é uma palavra que não entra no seu vocabulário, nem nas suas ações. Foi sempre com olhos postos no presente e no futuro que Carlos de Matos encarou a vida. Orgulha-se dos portugueses e de Portugal, mas ao mesmo tempo identifica as diferenças do seu país de origem para aquele que o acolheu. São vários os investimento que tem realizado em Portugal e, apesar das dificuldades, não desiste de empreender e criar novos negócios no seu país. Apesar de ter morado em França a maior parte da sua vida, Carlos de Matos nunca pediu a 2ª nacionalidade.

Dan Inger: um artista que junta portugalidade a um toque francês

 Dan Inger teve a sua primeira experiência artística aos 16 anos, quando se juntou a uma companhia de teatro. Nasceu em Champigny-sur-Marne, é filho de pais portugueses, e há mais de 30 anos que se dedica à música. Começou por cantar em francês, mas apaixonou-se pela música portuguesa ao ouvir Rui Veloso, com quem já gravou um dueto. Conheça a história desde artista lusodescendente, que junta portugalidade a um toque francês