22 Jun, 2018 Última Actualização 9:15 AM, 20 Jun, 2018

Mais de cem empresas portuguesas marcaram presença na Feira “Maison & Objet”

Categoria: Comunidade
Visualizações: 392 times

 

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, destacou o têxtil-lar como exemplo dos sectores “que mais se modernizaram em Portugal e mais se adaptaram às novas regras da competição internacional”. O número dois do Governo visitou as mais de 100 empresas de vários sectores presentes na feira Maison & Object, dez das quais integradas numa comitiva liderada pela Associação Selectiva Moda, no âmbito do projecto de internacionalização From Portugal.

“No sector têxtil-lar, Portugal está entre os dez países mais exportadores do mundo e no sector mobiliário estamos entre os 20 países mais exportadores do mundo. Portanto, já não é baixos salários, já não é baixos custos de produção, é sobretudo mais valor acrescentado”, afirmou o ministro em reacção às conclusões de um estudo do Observatório sobre Crises e Alternativas segundo o qual a consolidação da retoma económica está a criar precariedade. O barómetro, divulgado a 5 de janeiro, revelou que o predomínio da precariedade continua, com a redução do peso dos contratos permanentes no setor privado e a degradação dos salários. O chefe da diplomacia portuguesa argumentou que o modelo de crescimento de Portugal “já não é baseado em baixos salários” porque acrescenta “mais valor no processo de produção, no processo de comercialização e nos serviços” prestados aos clientes e declarou que “essa ideia antiga de que Portugal exportava, sobretudo, cortiça ou calçado ou vestuário é uma ideia justamente cada vez menos adequada à realidade”.

Na feira Maison & Objet, realizada entre os dias 19 e 23 de janeiro no Parque de Exposições de Paris Nord-Villepinte, estiveram várias empresas com o selo de qualidade “Made in Portugal”.